Pico ou mico: saiba em um piscar de olhos

  • Bateu os olhos em uma valiosa obra de arte (kouros) e sabia que não era original.
  • Em poucos minutos de conversa era possível identificar se determinado casal daria certo ou não.
  • Em um relance soube que ele (Tom Hanks) seria um grande astro do cinema.
  • Ao olhar o movimento do jogador de tênis para dar o saque, ele já sabia se seria dupla falta ou não.
  • O bombeiro-chefe identifica algo errado, decide deixar o local e, poucos segundos depois, o prédio inteiro desabou.
  • Em três perguntas era possível identificar o risco do paciente estar tendo ataque cardíaco (Cook County Hospital em Chicago).
  • O quase grande sucesso de Kenna que nunca aconteceu (apesar dos elogios de produtores musicais de renome).
  • Sete segundos no Bronx: atirar ou render (o dilema policial).

Esses e outros exemplos foram extraídos do interesse livro Blink – A decisão num piscar de olhos, de Malcolm Gladwell (super recomendo a leitura). A temática, em apertado resumo, é sobre essa habilidade que as pessoas têm (sim, todos nós possuímos) de decidir bem, em poucos segundos e com poucas informações, sobre as coisas. É o que o autor chama de teoria das fatias finas: o pouco de conhecimento que pode fazer muito.

É também derivação, por assim dizer, do diagrama/regra de Pareto: 20% do esforço é responsável por 80% do resultado.

Essa habilidade, gravada em nosso subconsciente, é adquirida pela teoria e pela prática. Em todos exemplos citados anteriormente, a experiência dos profissionais envolvidos, aliada à qualificação e aperfeiçoamento constante, foi fundamental para aquisição da habilidade em questão: tomada de boas decisões de maneira instantânea.

Por trago essa questão no dia de hoje?

Não são poucos os casos de férias frustradas (ou até mesmo de noites aterrorizantes) que nós viajantes nos deparamos algumas vezes. Às vezes, gastamos tempo e dinheiro para passeios miados, verdadeiros micos e furadas, que só enriquecem os intermediários dessa “experiência”. E quando não é o passeio, é a hospedagem, é o transporte, é o seguro de viagem…

Tá cheio de passeio “pega-turista” por aí e, se não ficarmos espertos, caímos no conto da noiva.

Então, que tal desenvolvermos a habilidade de detectarmos o que é “do bem” e o que é “do mau” para tomarmos a melhores decisões de viagem?

Algumas regras de polegar, um pequeno checklist , pode ajudar:

  • Antes de mais nada, pesquise: sim, esse é o principal ponto (e também o mais desprezado). Planejamento é tudo. Tem que pesquisar para saber quais são os principais passeios em determinado destino. Viajar é ser clichê (especialmente se você está visitando o destino pela primeira mês). Faça algo mais seguro, por assim dizer, e aquilo pelo que o lugar é famoso. Em uma próxima oportunidade, ouse um pouco mais, pois você já tem algum conhecimento do destino.
    • Exemplo: ORLANDO é famoso pelos seus parques de diversões. Os mais conhecidos são os da Disney, do SeaWorld e da Universal. Fora isso, é por sua conta e risco. E tem mais: a cidade do Mickey Mouse não é referência mundial por museus… Daí não dá para querer ser feliz, não é mesmo?
  • Viu o que é bom? Veja como funciona: após esse primeiro filtro, obtenha maiores informações de como as coisas rolam no passeio escolhido:
    • ingressos (comprar antecipado sempre é uma boa – evita filas e economiza uma grana);
    • hora de entrada e de saída;
    • como chegar (carro/Uber/metro/trem);
    • infraestrutura básica (banheiros, comes e bebes, segurança).
  • Reputação é tudo: conheça a reputação do lugar para não passar raiva depois. TripAdvisor e ReclameAqui são duas ferramentas top para saber se um lugar é confiável ou não, se respeita seus clientes ou não. É insanidade achar que um lugar, com fama de atendimento ruim, vai te tratar diferente só porque é com você. Desconfie de fotos muitos produzidas e sempre, sempre, leia os reviews de outros viajantes.
  • Excursão não é para todo mundo: a menos que seu objetivo seja fazer amizade, viagem em grupo costuma ser complicado. Você perde sua liberdade, mobilidade e autonomia para decisões.
    • Exemplo: Imagine que você está em um grupo de 30 pessoas e sempre tem aquele “gente fina” que se atrasa para tudo. Imagine, ainda, que seu passeio envolve passar em 214 pontos turísticos em um dia e justo aquele que você mais gostou só tem 15 minutos reservados. Percebe? Recomendo excursão para lugares onde temos que cuidar mais com a segurança e, por isso, a presença de um guia é fundamental. A maior parte dos países ocidentais é possível um turismo por conta própria, aproveitando mais e pagando menos.

No fim do dia, a informação é a base de tudo. Tem tanta coisa boa disponível por aí que, salvo casos de má-fé, malandragem e mentira na cara dura, é cada vez mais difícil ser enganado se você tiver feito sua lição de casa. Você está a um google, a um click, da viagem dos seus sonhos!

Nossos posts e nosso livro (versões em português e em inglês) tem um único objetivo: que você viaje mais e melhor. Procuramos indicar, de maneira visual, bem-humorada e informativa, ferramentas para que você faça da sua viagem algo inesquecível. São segredos que quase ninguém fala e que são mais simples do que você pensa.

Hoje e sempre queremos contribuir para que mais e mais pessoas tenham melhores experiências de viagem – e, porquê não, de vida, – pagando menos. É a democratização que também desejamos, independente da profissão, do destino e da cotação do dólar.

Publicado por leandrodall

Acredito que a vida pode ser EXTRAORDINÁRIA, não importa a circunstância. Cresci em um conjunto habitacional (antes o nome era BNH, agora é COHAB), onde vivi momentos lindos, mas também (bem) desafiantes. Com muito estudo, trabalho e fé tenho vivido. Administrador de empresas por formação, copywriter e escritor por paixão, viajante por hobby, minha maior aventura começou quando conheci a Jú, esposa e companheira em todas as horas (seja dia, seja noite, ela tá lá, digo, aqui do meu lado). Temos rodado o Brasil e o mundo há pelo menos 10 anos, viajando por conta própria e na raça. Decidimos compartilhar nossas experiências, de maneira leve, prática e divertida, para incentivar outras pessoas a descobrirem suas próprias aventuras. Seja o protagonista, roteirista e diretor de sua vida. Por que não começar a viajar mais e melhor HOJE? AGORA VAI!!!

Um comentário em “Pico ou mico: saiba em um piscar de olhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: