16 de junho de 2020

Breaking news: Azul e LATAM anunciam acordo para compartilhamento de voos

Por leandrodall

Com as incertezas decorrentes de uma segunda onda da Covid-19, a palavra de ordem para sobreviver ao novo normal (seja lá o que isso realmente vá significar) é adaptabilidade.

As companhias aéreas, como todo o setor de turismo, estão apanhando bastante com tudo isso e precisam agir rápido para continuar existindo (e lucrando) no mundo pós(?) coronavírus.

Duas das maiores aéreas no Brasil, Azul e Latam acabam de anunciar um acordo para compartilhamento de voos (codeshare no jargão empresarial) que inclui 50 rotas domésticas e uma parceria entre seus programas de milhagem (TudoAzul e LATAM Pass).

Antes do contágio, as aéreas atendiam um total de 137 destinos no Brasil, com 298 rotas e 1.632 partidas diárias. Uau!

O compartilhamento anunciado incluirá, em um primeiro momento, horários e destinos domésticos não sobrepostos incluindo Brasília (BSB), Belo Horizonte (CNF), Recife (REC), Porto Alegre (POA), Campinas (VCP), Curitiba (CWB) e Guarulhos (GRU).

Os passageiros poderão voar por uma empresa e fazer conexão com a outra, compartilhando o check-in e o despacho de bagagem. Tudo isso utilizando o mesmo bilhete!

Além da questão do codeshare, as empresas celebraram um acordo relativo aos seus programas de fidelidade, possibilitando que os associados do TudoAzul (12 milhões) e do LATAM Pass (37 milhões) escolham o programa onde irão pontuar.

Essa iniciativa ocorre semanas após a LATAM pedir recuperação judicial nos Estados Unidos (o pedido não incluiu as operações no Brasil).

Além disso, há tratativas entre as empresas do setor e o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social para um socorro financeiro.

Aliás, não seria novidade tal fato ocorrer, uma vez que governos ao redor do globo não tem economizado para salvar suas aéreas. A Alemanha e a França, por exemplo, ofereceram linhas de crédito de 8 e 9 bilhões de euros para a Lufthansa e a AirFrance, respectivamente.

De todo modo, esperamos que as mudanças propostas sejam benéficas para todos: empresários, trabalhadores e turistas.