12 de julho de 2020

Amor Pandêmico (parte 4)

Por leandrodall

7:30 a.m.

            O despertador toca sem nenhuma piedade. O dia ainda está escuro. Frio. O inverno está chegando. Hesita em adiar o alarme em mais 10 minutos, mas resolve levantar.

Ainda sonolento, tira a roupa e vai direto para o chuveiro. Água quente escorrendo pelo corpo, lembra João do último contato de Sabrina. Não sabia o que responder. Não sabia como continuar aquela conversa. Resolveu esperar antes de seguir adiante.

Continuando o ritual, colocou camisa, calça social e se dirigiu para cozinha. Pão francês com margarina e um expresso forte e pronto! Acordado para mais um dia de home office.

João Marcos era especialista em marketing. Dono de sua própria empresa e com uma carteira importante de clientes dos setores alimentício e bancário, colhia, ainda, os frutos de sua última viagem a Praga. Seu método de trabalho focado em resultados atraiu a atenção de investidores do leste europeu, interessados em expandir suas atividades para o atraente mercado brasileiro.

Foi então que o inesperado aconteceu. Sentiu seu braço direito formigar. Aquela dor no estômago e o suor frio noturno não era resultado do taco fora de validade, mas sintomas de algo muito pior. Sim, estava tendo um infarto e precisava agir rápido se quisesse continuar vivo.

Só se lembra de ter tentado enviar um whatsapp para seu assistente pessoal: VENHA AGO…

            Abriu os olhos, mas não conseguiu se levantar. O quarto era diferente. Não estava com esse pijama. Apenas alguns flashes do dia anterior. Não se lembra de quase nada. Sente alguma coisa presa ao seu braço. Está dolorido. Não consegue se mexer direito. Olhou ao redor: era um quarto de hospital.

            Momentos depois entra o médico. Semblante sério. Conhecia o João Marcos das redes sociais e de notícias dos principais portais do país. Sabia que não estava lidando com um alguém qualquer, mas com um gênio da comunicação. Apenas disse o seguinte: João, ou você muda de vida ou você morre. É simples assim. Você passou por um procedimento cirúrgico delicado. Mas foi por um triz. Você recebeu uma segunda chance de viver. Qual será a sua decisão? (continua)