12 de agosto de 2020

Um tour que todos deveríamos fazer ao menos uma vez na vida

Por leandrodall

Com a hipocrisia típica dos facínoras e opressores, a placa de entrada de Auschwitz-Birkenau com os dizeres “o trabalho liberta” (Arbeit macht frei) é um alerta para toda a humanidade.

E deveria ser um “tour” obrigatório para todo ser humano lembrar-se do que intolerância, discurso de ódio e toda e qualquer forma de preconceito tem como resultado.

Quero deixar, hoje, não as minhas palavras, mas a de um grande amigo que teve o solene privilégio de visitar o campo de concentração nazista mais famoso e cruel da história e que nos traz uma relevante meditação.

Em momentos que vidas humanas passaram a ser simples estatísticas e que pessoas são vítimas de preconceito pelo simples fato de trabalharem honestamente, olhar para capítulos sombrios da história humanidade é parte do caminho para o amor, a tolerância e o respeito estejam cada vez mais presentes nas relações humanas.

Com vocês, Gabriel Lousan:

Poderia ser apenas um pesadelo. Mas é real, muito real.

As histórias contadas sobre os horrores sofridos pelos judeus e demais escravos do exército nazista impressionam pela crueldade e frieza com que eram tratados.

É impossível não sentir um nó na garganta e o suor escorrendo pelas costas ao tentar imaginar como era “viver” em pleno inferno.

Acredite, o lugar é sombrio e cheira a morte.

Dos “alojamentos” às câmaras de gás e crematório, tudo é exageradamente impactante.

Como não ficar em choque ao ver as provas de um crime contra a humanidade, contra todos nós.

Como não encher os olhos de água ao ver quão longe o ser humano é capaz de chegar quando decide seguir seus instintos e seus ideais racistas. É loucura. Beira o insano.

Loucura maior é saber os motivos pelos quais opressores fizeram dos oprimidos e do lugar uma das manchas mais escuras da história da humanidade. Não é só de se arrepiar, é de se envergonhar tamanha covardia e crueldade.

Auschwitz será para sempre um memorial do holocausto nazista. Incontáveis são os números dos mortos, só se tem registro dos escravos e dos que conseguiram sobreviver.

Esse capítulo sombrio da história jamais será apagado. Serve de testemunha para a atual e futuras gerações de algo que jamais deveria se repetir.

Meu querido leitor, minha querida leitora: seja a mudança que você quer ver no mundo!

Informações:

  • O tour leva entre 3 e 5 horas e recomendamos que seja feito com um guia do local (sua visita terá outro significado);
  • Os horários de visitação variam entre 8 e 19 horas, dependendo do período do ano (consulte os horários atualizados para planejamento de sua visita);
  • Você faz a marcação do dia e hora via website da atração;
  • Essas e outras informações podem ser acessadas em http://auschwitz.org/